Dados do Informativo Anual da Mineração Baiana apontam paralisação das duas principais minas do estado como principal motivo da queda no ano.

Na contramão do setor mineral brasileiro e mundial – em momento de recuperação de demanda, que após cinco anos registra alta nos valores das matérias primas – a mineração baiana registrou retração de 12,6% na Produção Mineral Baiana Comercializada (PMBC), fechando o ano com valor de R$ 2,2 bilhões, contra R$ 2,5 bilhões em 2015.

Segundo dados do Informativo Anual da Mineração Baiana 2016, divulgado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado, o resultado foi agravado pela paralisação das duas maiores minas em produção na Bahia – de níquel e de cobre – que resultou, ainda, na eliminação de 1.139 postos de trabalho. Historicamente os dois minerais eram líderes no ranking da produção mineral no estado.

A produção de níquel de Itagibá, da Mirabela Mineração do Brasil, foi suspensa em 2016, a fim de assegurar rentabilidade à mineradora, motivada pela baixa cotação dessa commodity no mercado global, cujo preço internacional ficou incompatível com os custos de extração e concentração do minério.

O provável retorno da exploração do metal é esperado no segundo semestre de 2017.

Em Jaguarari, as fortes chuvas que caíram entre o final de 2015 e início de 2016, inundaram a mina subterrânea de cobre explorada pela Caraíba Mineração, deixando submersos 70% dos equipamentos da empresa. Com a paralisação da produção, a mineradora vivenciou um longo período de recuperação judicial.

Além do cobre e níquel, tiveram comercialização menor que em 2015 os agregados para a construção civil, em razão da queda do setor de construção, que viu sua demanda despencar 44% entre 2014 e 2016, segundo a Associação Nacional de Produtores de Agregados para a Construção Civil – ANEPAC. Cromita, bentonita, ferro entre outros sofreram o mesmo movimento de retração.

Como resultado, o estado também teve parte de suas receitas sustentadas pela arrecadação da CFEM reduzidas. O decréscimo na arrecadação do imposto foi de 17%, fechando o ano com valor total de R$ 32,9 milhões.

O estado encerra 2016 na 6ª posição entre os estados arrecadadores de CFEM do país, ficando atrás de Minas Gerais, Pará, Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul, com 1,8% da arrecadação nacional. Em termos regionais ocupou o 1º lugar entre os maiores arrecadadores da região Nordeste, seguido por Sergipe e Ceará.

Exportações

Em 2016, o corredor de comércio exterior do setor mineral baiano chegou a US$ 1,272 bilhão, sendo cerca de 15% menor que em 2015. As exportações somaram US$ 547 milhões, enquanto que as importações US$ 725 milhões, resultando em déficit de US$ 178 milhões.

No ano, as exportações cresceram cerca de 19%, fechando em US$ 547 milhões. As remessas ao exterior estiveram pautadas na comercialização de ouro (Canadá, Suíça), outros metais preciosos (Alemanha e Bélgica), magnesita (sendo os maiores compradores Holanda, EUA, Alemanha, Áustria, Colômbia), vanádio (Coréia, Holanda, Canadá, EUA, Japão e Índia), níquel (China e Finlândia), rochas ornamentais (Itália, China, Taiwan, EUA, França e outros 16 países), diamantes (Emirados Árabes) e cromita (China).

 

1 COMENTÁRIO

  1. Eu encontreium local que tem carvao mineral, mica, feldspato e amatita eu quero que alguem faça uma pesquisa do material pra ver se tem como pesqisar o local tambem eu tenho umas pedras como amostras.
    deve ter algum mineral que sirva pra alguma coisa

Deixe uma resposta para Ailton marques Cancelar resposta

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui