Terceiro maior produtor mineral brasileiro receberá investimentos de mineradoras como Anglogold, CMOC International, Votorantim Cimentos e Cleveland Mining.

Goiás deverá receber investimentos privados na ordem de 750 milhões de dólares em projetos de exploração, ampliação e pesquisa mineral, nos próximos anos. Ao todo, 16 mineradoras têm projetos para o estado.

A Anglogold – Mineração Serra Grande deverá realizar o maior investimento. Nos próximos três anos prevê cerca de R$ 560 milhões para a continuidade das atividades e descoberta de novas jazidas que possam aumentar a vida útil do empreendimento. Desse total, cerca de R$ 260 milhões são destinados para acesso a novos corpos de minérios em operação.

Outros R$ 350 milhões deverão custear mão de obra, materiais e serviços que sustentarão suas atividades mineiras. Em operação há cerca de 30 anos em Crixás, a Mineração Serra Grande é parte da Anglogold Ashanti, líder nacional na produção de ouro.

Por sua vez, a CMOC International, braço internacional da chinesa China Molybdenum, concluiu a aquisição das operações da Anglo American de nióbio e fosfato em Catalão, Ouvidor (GO) e Cubatão (SO), por R$ 1,7 bilhão.

Nos investimentos da Votorantim Cimentos está um aporte de R$ 600 milhões para o início das operações da nova fábrica de calcário em Edealina. Com capacidade produtiva anual de 2 milhões de toneladas de cimento e vida útil estimada em 45 anos, a nova planta deverá produzir de 12 mil toneladas/dia para abastecer os mercados de Goiás, Triângulo Mineiro e Regiões Norte e Noroeste do Estado de São Paulo.

A Australiana Cleveland Mining, investirá 1 milhão de dólares para custear a campanha de sondagem, em especial no prospecto Dona Maria, em Crixás, parte do projeto O Capitão Gold Project.

Por fim, a Mineração Serra Verde Do Grupo Mining Ventures Brasil (MVB), financiada por capital privado norte-americano, assinou protocolo de 170 milhões de dólares para construção de planta de exploração e beneficiamento de terras-raras, com investimentos de R$ 1,2 bilhão em dez anos. O processo de beneficiamento é inédito no país, com a separação em terras-raras individuais para a utilização na produção de materiais estratégicos presentes, em diversos tipos de produtos.

Conheça todos os projetos:

• Anglo Gold Crixas – Cidade de Goiás – Ampliação/Exploração: U$ 180 milhões
• Mineradora Serra Verde – Minaçu – Implantação: U$ 170 milhões
• Yamana – Alto Horizonte – Ampliação: U$ 170 milhões
• Yamana Gold – Alto Horizonte Implantação: U$ 48 milhões
• Amarillo Gold – Mara Rosa – Implantação: U$ 40 milhões
• Edem – Nova Roma – Exploração/Implantação Sn: U$ 30 milhões
• Orinoco Gold – Faina – Exploração/Implantação – Au: U$ 30 milhões
• Santo Expedito – Barro Alto – Verticalização Bauxita: U$ 10 milhões
• Votorantin Metais – Todo Estado – Exploração Mineral: U$ 10 milhões
• Brasil Minérios – Catalão Implantação – Vermiculita: U$ 10 milhões
• Edem – Arenópolis – Exploração Implantação: U$ 5 milhões
• Five Star – Catalão – Exploração/ Implantação: U$ 4 milhões
• Mineradora Corcovado – Nova Roma – Implantação Mármore: U$ 4 milhões
• Rio Granito Diversos– Implantação Verticalização: U$ 2,5 milhões
• Codelco Regional – Exploração Cobre: U$ 1,5 milhão
• Cleveland Mining – Crixás – Exploração Ouro: U$ 1 milhão

Tecnologia

O Governo de Goiás, o Ministério de Minas e Energia, a Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) assinaram também um protocolo de intenções para a implantação de um Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para a Mineração na cidade de Catalão. “Esse centro vai, além de tudo o que ele representa, apoiar o curso de Mineração criado recentemente pela UFG no município. Goiás sempre esteve à frente do Brasil na geração de emprego e desenvolvimento, e esse setor é essencial para continuarmos crescendo, graças à sensibilidade do nosso governador”, explicou o secretário do Meio Ambiente de Goiás, Vilmar Rocha.

O centro tem como objetivo a geração e difusão de conhecimento e inovação tecnológica. Com equipamentos de ponta, neste ambiente serão desenvolvidas pesquisas básicas e aplicadas em geologia, tecnologias minerais e tecnologias limpas, além da prestação de serviços tecnológicos que atendam, com inovação e eficiência, às demandas do setor empresarial de mineração em Goiás.

Com informações do Gabinete de Imprensa do Governador de Goiás.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui