Grupo registrou um prejuízo líquido de €855 milhões no 1º semestre devido à venda da CSA e a aumento da dívida financeira líquida para €5,8 bilhões.

O grupo Thyssenkrupp registrou um aumento de 35% no EBIT (Lucro antes dos Juros e Tributos) no 1º semestre, com €756 milhões, e em 31% no 2º trimestre do ano passado, com €427 milhões (ano anterior €326 milhões). O balanço do ano apresentou crescimento no primeiro semestre de 2016, em comparação ao de 2015, nas áreas de negócios Components Technology (aumento de 12%, para €176 milhões) e Elevator Technology (8%, para €422 milhões).

O mesmo efeito positivo ocorreu nos rendimentos devido à recuperação dos preços em Material Services (aumento de €160 milhões para €173 milhões) e da Steel Americas (aumento de €190 milhões para €51 milhões).

A tendência foi a mesma na Steel Europe, mas devido aos seus contratos de longo prazo, os efeitos do aumento de preços foram maiores no segundo trimestre. Os efeitos positivos dos preços foram parcialmente afetados pelo forte aumento dos custos das matérias-primas, principalmente para o carvão de coque (EBIT ajustado: aumento em €4 milhões para €119 milhões, no 1º semestre, e €27 milhões para €92 milhões, no 2º trimestre).

“Em termos operacionais, estamos indo bem. Todos os negócios apresentaram taxas de crescimento de dois dígitos na entrada de pedidos. No 2º trimestre, nossos negócios de bens de capital Components Technology e Elevator Technology alcançaram novos recordes”, afirma o Dr. Heinrich Hiesinger, CEO da Thyssenkrupp.

A entrada de pedidos e as vendas foram maiores tanto em relação ao mesmo período do ano anterior (aumento de 17% / 9%) como no 2º trimestre (33% / 12%). Nos negócios de bens de capital, Components Technology registrou uma tendência positiva, para componentes para carros e componentes para caminhões pesados na Europa Ocidental e na China. Em Elevator Technology, as vendas aumentaram especialmente nos EUA, China e Coreia do Sul.

Os negócios de materiais lucraram com a recuperação dos preços. Na Steel Europe, essa tendência também já se refletiu no aumento dos preços médios de venda em relação ao primeiro semestre do ano passado.

A venda da CSA teve um efeito negativo de €0,9 bilhão sobre o lucro líquido no 2º trimestre. Com base neste efeito único, o grupo registrou um prejuízo líquido de €855 milhões no 1º semestre (prejuízo líquido do 2º trimestre de €870 milhões). Após a dedução dos juros não controlados, o prejuízo líquido foi de €871 milhões; o lucro por ação atingiu um prejuízo de €1,54. Com base na continuidade da operação, ou seja, excluindo a Steel Americas, a Thyssenkrupp gerou um lucro líquido de €58 milhões no 1º semestre (2º trimestre, €64 milhões).

O fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições no 1º semestre foi mais baixo, conforme expectativas, em relação ao ano anterior, com €1,949 milhão de euros (€1,212 milhão no anterior). Acima de tudo, o aumento dos preços dos materiais levou a um aumento temporário do capital de giro líquido. O fluxo de caixa livre no 2º trimestre de €212 milhões foi superior ao do ano anterior (€365 milhões) e significativamente superior ao do trimestre anterior (€1,736 milhão).

Assim, a dívida financeira líquida do grupo aumentou para €5,8 bilhões. A Thyssenkrupp prevê uma queda acentuada da dívida financeira líquida no segundo semestre desse ano, com o fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições positivo. Adicionalmente, o pagamento do preço de compra da CSA no encerramento da transação terá um impacto positivo. Levando em conta a liquidez disponível do grupo de €6,6 bilhões e a estrutura madura e equilibrada, a Thyssenkrupp mantém-se solidamente financiada.

O capital próprio diminuiu para €2,3 bilhões de €3,3 bilhões em 31 de dezembro de 2016. A causa disso foi o efeito negativo de €0,9 bilhões em conexão com a venda da CSA. Para o ano fiscal em curso (2016/2017) a Thyssenkrupp está revendo a sua previsão.

“Os mercados de matérias-primas e, como resultado, nossos negócios de materiais, estão sujeitos a grandes oscilações que estão além do nosso controle. É por isso que estamos nos concentrando estrategicamente na expansão de nossos negócios de bens de capital e serviços. Isso nos permitirá gerar ganhos mais estáveis e obter crescimento lucrativo no futuro”, diz Hiesinger, resumindo a estratégia por trás da transformação do grupo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui