Fundação Banco do Brasil e BNDES destinam dinheiro gerido pela Emater-MG para melhorias na água e no saneamento rural.

Agricultores familiares que atuam próximo à bacia do Rio Doce estão recebendo apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) para retomada das atividades econômicas e melhoria da qualidade de vida. Os beneficiados foram afetados após o rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, que provocou o derrame de mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos no Rio.

De acordo com informações da Agência Minas, parte deste trabalho é feita com associações comunitárias que receberam recursos da Fundação Banco do Brasil. A instituição seleciona e financia projetos, via edital, para a geração de renda e inclusão social das famílias que foram impactadas pelo rompimento da barragem.

Em Minas, a Emater é responsável pela elaboração, execução e acompanhamento de 14 projetos comunitários na região, que totalizam mais de R$ 2 milhões dos R$ 10 milhões da Fundação Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), destinados a projetos na Bacia do Rio Doce.

A Fundação Banco do Brasil investiu o valor de R$ 250 mil. Esse dinheiro, segundo a Agência Minas, foi destinado à compra de miniestações de tratamento de esgoto. Em contrapartida, a Emater ficou responsável por elaborar e acompanhar o desenvolvimento do projeto, e também por auxiliar nas prestações de conta.

Na cidade de São Pedro dos Ferros, cuja principal fonte de água vem do rio Santana que foi afetado pelos rejeitos, o projeto já beneficiou 71 famílias que trabalham com a pecuária leiteira, com apicultura e cultivo de hortas e frutas.

“Os agricultores viram que o volume de água do córrego da Pirraça (curso do rio Santana) estava diminuindo e também estavam preocupados com a quantidade de dejetos domésticos que era despejada nele. A possibilidade de colocar o projeto de saneamento em execução beneficiou não só as residências, mas também a escola rural da comunidade e o posto de saúde”, afirma a extensionista de Bem-Estar Social da Emater-MG, Luíva Martins.

No município de Raul Soares, a Associação Comunitária do Córrego de São Lourenço de Cima conseguiu R$ 171,5 mil para projeto de saneamento ambiental. Cerca de 128 residências estão sendo beneficiadas com a instalação de fossas sépticas adquiridas com o recurso. O projeto também prevê a proteção de nascentes e análise da água.

Já o município de Dionísio, banhado por vários rios que fazem parte da Bacia do Rio Doce, está sendo realizada a construção de pequenas barragens para captação e infiltração no solo da água de chuva. Nesse projeto está sendo utilizada uma fatia de R$ 246 mil do valor total disponibilizado pela associação, destinada à aquisição de uma máquina retroescavadeira. O dinheiro também é usado para compra de combustível.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui