Usina fotovoltaica que armazena 1MW é inaugurada em MG

0
3243
Primeira Usina Fotovoltaica em Uberlândia (MG). Créditos: Marcelo Sant’Anna/ Imprensa MG.

Empreendimento recebeu um investimento de R$ 22,7 milhões.

A primeira usina fotovoltaica do país, com sistema de armazenamento de 1 Megawatt (MW) foi inaugurada na terça-feira (15) na cidade de Uberlândia (MG). De acordo com informações divulgadas pela Agência Minas, órgão de imprensa oficial do Governo do Estado, o empreendimento demandou um investimento de R$ 22,7 milhões, sendo R$ 17,5 milhões pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e R$ 5,2 milhões pela Alsol Energias Renováveis (Grupo Algar), empresa parceira do projeto.

O projeto é de iniciativa do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e tem como objetivo desenvolver uma solução, por meio de um produto nacional, que gere economia financeira ao reutilizar baterias e inversores fotovoltaicos já existentes.

A Cemig e a Alsol irão desenvolver um estudo da aplicação de sistemas de armazenamento em combinação com geração distribuída, com implantação de uma planta fotovoltaica de 300 kilo Watt-pico (kWp) e um sistema de armazenamento de 1 W.

Também está prevista a instalação de sete protótipos de sistemas de armazenamento na Universidade Federal da Paraíba e no Instituto Federal do Rio Grande do Norte, parceiras no projeto, entre outros locais.

Além disso, serão instalados sete protótipos de sistemas de armazenamento, sendo alguns deles na Universidade Federal da Paraíba e no Instituto Federal do Rio Grande do Norte, também parceiras no projeto.

O projeto também tem como finalidade desenvolver um novo modelo de negócio de compensação energética, a partir de plantas híbridas que combinem geração fotovoltaica e sistemas de armazenamentos, em unidades consumidoras que possam garantir qualidade energética em pontos críticos da rede.

De acordo com o governador de Minas, Fernando Pimentel, o projeto é pioneiro pois permite o armazenamento de energia, mesmo quando não há sol para gerar energia. “Estamos aqui engendrando uma solução extremamente criativa, positiva, para um gargalo que a energia fotovoltaica tem, que é esse de armazenar – dependendo da disponibilidade do sol, você tem ou não tem energia”, afirmou.

Já o presidente da Alsol, Gustavo Malagoli, afirmou que os equipamentos desenvolvidos pela empresa e pela Cemig vão suprir a energia demandada no momento, além de gerar empregos. “É um projeto de eficiência energética e de melhoria da qualidade de rede, disponibilizando mais energia para o consumidor”, pontuou.

Com informações da Agência Minas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui