Alcoa monitora mais de mil espécies da fauna amazônica no PA

0
2006
A arara-vermelha é uma das espécies da região amazônica monitorada pela Alcoa. Foto: Alcoa/ Divulgação.

Projeto de fiscalização ambiental da mineradora é feito desde 2002 na cidade de Juruti.

Mais de mil espécies de animais são monitorados pela Alcoa, por meio de monitoramento ambiental da fauna e flora amazônica em Juruti (PA). As ações do programa foram reforçadas pela empresa em junho, quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (celebrado no dia 5). No mês, a mineradora realizou iniciativas educativas como exibições de cinema, apresentações teatrais e distribuição de materiais informativos sobre meio ambiente.

O objetivo do monitorameno é a recuperação das áreas após a atividade de mineração da bauxita, em que são feitas medições, observações e pesquisa em campo para a verificação da água, solo, ar, clima, ruído, fauna e flora.

“Este monitoramento é fundamental para termos indicadores de comparação do ambiente antes e sob influência das atividades de mineração, que além de assegurar o cumprimento das normas ambientais, irão gerar dados técnicos de valor científico para pesquisas de aprimoramento pela conservação ambiental na Amazônia”, comenta a supervisora de Meio Ambiente da Alcoa Juruti, Jorgeane Almeida.

Ela completa que os resultados são compartilhados periodicamente com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Fauna

Em 2002, quando a mineradora se encontrava em fase de pré-instalação em Juruti, um monitoramento de fauna identificou 107 tipos de répteis, 494 espécies de aves, 214 de aranhas, 417 de peixes, 55 de anfíbios e 81 de mamíferos, totalizando mais de 1.360 espécies da fauna amazônica.

A Alcoa afirmou que o acompanhamento continua sendo feito semestralmente, nos períodos do verão e inverno, em 67 pontos distribuídos em áreas próximas da mina e em até um raio de 60 quilômetros.

“O objetivo é ver como essa população vem se comportando nesse ambiente de influência da empresa. Avaliamos se existe alguma variação, a ocorrência de espécies endêmicas (que só ocorrem aqui) e ameaçadas, e atuamos na conservação”, esclarece a engenheira florestal, Susiele Tavares, responsável pelo programa de Conservação de Fauna e Flora da Alcoa Juruti.

*Sob supervisão de Sara Lira

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui