País possui 32.033 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, que representam mais de R$ 2,2 bilhões em investimentos acumulados, segundo a Absolar.

O Brasil atingiu a marca de 300 megawatts (MW) de potência instalada em sistemas de microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaicas em residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) nesta quinta-feira (12).

Segundo a entidade, a fonte solar fotovoltaica lidera o segmento de microgeração e minigeração distribuída, com mais de 99,4% das instalações do País. Os consumidores residenciais ocupam o primeiro lugar na lista de sistemas instalados, representando 76,9%. Em segundo, aparecem as empresas dos setores de comércio e serviços (16,2%), consumidores rurais (3,4%), indústrias (2,5%), poder público (0,8%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,02%).

Já em potência instalada, os consumidores dos setores de comércio e serviços lideram o uso da energia solar fotovoltaica, com 44%. Em seguida vêm os consumidores residenciais (38%), indústrias (8,4%), consumidores rurais (5,6%), poder público (3,5%) e outros tipos, como iluminação pública (0,03%), e serviços públicos (0,5%).

Segundo a Absolar, atualmente, o Brasil possui 32.033 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, somando mais de R$ 2,2 bilhões em investimentos acumulados desde 2012, em todas as regiões do país.

De acordo com o presidente executivo da Absolar, Rodrigo Sauaia, três fatores contribuem para o crescimento da microgeração e minigeração distribuída. O primeiro é a redução de mais de 75% no preço da energia solar fotovoltaica ao longo da última década. O segundo, é o aumento das tarifas de energia elétrica, pressionando os orçamentos domésticos e empresariais. Por último, o aumento da preocupação ambiental dos consumidores, que desejam economizar sendo sustentáveis.

“O Brasil possui mais de 82 milhões de unidades consumidoras e um interesse crescente da população, das empresas e também dos gestores públicos em aproveitar seus telhados, fachadas e coberturas para gerar energia renovável localmente a partir do sol, economizando dinheiro e contribuindo na prática para a construção de um país mais sustentável e com mais empregos locais e qualificados”, destaca Sauaia.

Ranking nacional

De acordo com a Absolar, Minas Gerais é o Estado que lidera o ranking nacional de microgeração e minigeração distribuída, com 22,9% da potência instalada no País. Em seguida vem Rio Grande do Sul (14,5%), São Paulo (12,9%), Santa Catarina (6,22%) e Ceará (5,84%).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui