Samarco inicia obras de preparação da Cava Alegria Sul

0
1382
Cava Alegria Sul, onde a Samarco pretende depositar os rejeitos quando voltar às atividades. Créditos: Ana Cláudia Vieira/ Revista Mineração.

Previsão é que intervenções durem cerca de 10 meses. Estrutura é uma das exigências para retomada das operações da empresa, paralisadas desde novembro de 2015.

As obras de preparação da Cava Alegria Sul, da Samarco, foram iniciadas nesta semana. A estrutura fica no Complexo de Germano, em Mariana e em Ouro Preto (MG), onde a barragem de Fundão estourou em novembro de 2015. Desde então, as atividades da empresa estão suspensas.

A previsão é que as intervenções durem cerca de 10 meses, empregando cerca de 750 pessoas, direta ou indiretamente. “A Samarco se comprometeu a contratar de 75% a 80% de mão de obra local”, informou a empresa, por meio de nota.

De acordo com informações da mineradora, o local terá capacidade para receber 16 milhões de metros cúbicos e será utilizado para disposição de rejeitos de minério. A cava é uma estrutura resultante do processo de lavra. Como possui formação rochosa e estável, permite a contenção segura do rejeito a ser depositado, conforme a empresa.

“O início das atividades de implementação do novo sistema de disposição de rejeitos é um passo fundamental para a retomada das nossas operações. A Cava é um local confinado, o que confere ainda mais segurança”, afirmou o diretor-presidente da Samarco, Rodrigo Vilela.

Em dezembro, a Samarco obteve, junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad), as licenças prévia (LP) e de instalação (LI), que permitem a preparação do local.

A implantação do Sistema de Disposição de Rejeitos Cava Alegria Sul será acompanhado por uma auditoria independente contratada pela Samarco. A auditoria irá atestar a segurança técnica e ambiental da Cava. O compromisso que prevê essa contratação foi assinado no dia 28 de setembro com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Retorno das operações

Para voltar a operar, a Samarco ainda depende do Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) do Complexo de Germano. O processo foi protocolado em setembro de 2017 e visa regularizar todas as licenças de Germano, suspensas em outubro de 2016 pela Semad.

Conforme previsto no Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do LOC, a Samarco planeja implantar a filtragem de rejeito arenoso, que corresponde a 80% do total de rejeitos gerados após o beneficiamento do minério de ferro, e o adensamento de lama, que representa os outros 20%.

“A filtragem retirará a água do rejeito arenoso, permitindo o empilhamento do material. O adensamento de lama, que também retira água do rejeito, reduzirá o volume que será destinado à Cava Alegria Sul. Ambos os processos permitirão a recirculação da água na produção”, explica a empresa.

Com o empilhamento dos rejeitos arenosos e disposição da lama adensada, a Samarco ampliará a vida útil da cava de 20 meses para sete anos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui