*Por Ricardo Triana

A área ocupada pela mineração no Brasil cresceu exponencialmente – cerca de seis vezes nos últimos 35 anos, segundo a pesquisa divulgada no final de agosto pelo MapBiomas, que utilizou como base imagens captadas por satélites. Essa grande presença no país traz diversos desafios para um setor que enfrenta obstáculos relacionados às pautas socioambientais.

Em um mundo onde as práticas ESG (sigla para Ambiental, Social e Governança, em tradução livre para o português) vêm ganhando destaque, as preocupações com o cumprimento das melhores práticas estão mais presentes a cada dia. Para isso, o gerenciamento de projetos é um importante aliado em diversas frentes. Os dados gerados se tornam informações assertivas, evitando a exposição de pessoas da comunidade e profissionais que podem ser substituídos por ativos, como um caminhão autônomo que pode ser controlado via IA (Inteligência Artificial).

O gerenciamento de projetos pode ser utilizado como ferramenta na prevenção de falhas na mineração e no gerenciamento da planta e do processo fabril, a começar pelos impactos nas comunidades do entorno. Além de garantir que as melhores práticas de ESG sejam cumpridas, a gestão de projetos permite o planejamento, o desenvolvimento territorial e a realização de projetos sociais que possam oferecer benefícios para as comunidades impactadas desde a melhoria de qualidade de vida até a capacitação e geração de renda – antes, durante e depois da atividade de mineração.

Nesse caso, o gerente de projetos é a pessoa responsável por analisar a situação e propor um diagnóstico para cada caso, sendo capaz de trabalhar programas sociais como capacitação, cursos profissionalizantes e reabsorção de mão de obra local, por exemplo. É o profissional que, entre outras coisas, é encarregado do estudo de viabilidade de um projeto e de desenvolver soluções, desde o seu início até a desativação do empreendimento ao fim de sua vida útil com foco no desenvolvimento territorial e o legado para a comunidade.

Ou seja, o fator humano está presente e a garantia dos direitos humanos é primordial, não apenas para a população do entorno como para os colaboradores que atuam nas mineradoras. A garantia da disponibilização de vestimentas adequadas, a detecção de fadiga de operários e possíveis áreas de risco para os colaboradores são apenas alguns exemplos de pontos de atenção. Nesse caso, o profissional que atua com a gestão de projetos é responsável por analisar e indicar as ações mais assertivas para conferir a segurança das pessoas, tanto nas plantas como nos escritórios.

No que diz respeito ao meio ambiente, que está diretamente ligado à prática de mineração, com a extração de recursos naturais, a gestão de projetos atua fortemente em questões como a preservação e a remediação ambiental, gestão hídrica e de resíduos. Um projeto deve levar em consideração os diferentes cenários e possíveis contrapartidas para o local onde ocorrem as extrações – como reúso de água, reciclagem e recuperação de materiais com logística reversa, por exemplo.

Em resumo, um projeto de mineração é complexo e com características individuais que dependem diretamente de cada jazimento envolvido. Um profissional capacitado pode garantir que as melhores decisões sejam tomadas, considerando todos os possíveis riscos e garantindo sempre as melhores práticas socioambientais.

Prova disso é que, nos últimos anos, a relevância e a necessidade do trabalho do gerente de projetos se faz presente nos mais diversos setores que, assim como a mineração, buscam, cada vez mais, profissionais capacitados que possam conferir maturidade gerencial e um futuro brilhante para seus empreendimentos.

 

*Ricardo Triana é diretor-geral do Project Management Institute (PMI) para a América Latina.

Sobre o PMI: O Project Management Institute (PMI) é a principal associação do mundo para os profissionais que consideram o gerenciamento de projetos, programas e portfólios a sua profissão. Por meio da defesa de direitos, colaboração, educação e pesquisa globais, o PMI trabalha para preparar mais de três milhões de profissionais em todo o mundo para a The Project Economy: a economia do futuro, em que o trabalho e as pessoas são organizados em torno de projetos, produtos, programas e fluxos de valor. Com um histórico de 50 anos, o PMI atua em quase todos os países do mundo para promover carreiras, melhorar o sucesso empresarial e amadurecer ainda mais a profissão de gerenciamento de projetos com padrões reconhecidos globalmente, certificações, comunidades, recursos, ferramentas, pesquisa acadêmica, publicações, cursos de desenvolvimento profissional e oportunidades de networking. 

 

Voltar