Programa da Vale investe em qualificação de mão de obra

1202

Programa de formação profissional, em parceria com o Senai, inicia preparação de 650 jovens do Pará e Maranhão, em sua maioria mulheres.

A primeira aula do Programa Formação Profissional (PFP) promovido pela Vale aconteceu na última segunda (8/3). O encontro, que foi realizado de forma virtual, reuniu cerca de 650 jovens do Pará e Maranhão. De acordo com a Vale, esse número é um recorde do programa, assim como o de mulheres participantes, que somaram 546 e integram o esforço da companhia em aumentar a participação feminina em suas operações, passando de 13% para 26% até 2030.

O PFP é realizado em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). A iniciativa é uma das principais portas de entrada para a empresa. A Vale afirma que desde 2004 busca diminuir as lacunas entre a oferta de vagas de trabalho e a escassez de mão de obra qualificada. Segundo a instituição, o PFP faz parte dos esforços para atingir esse objetivo.

Essa edição do programa terá 18 meses de duração, que serão divididos em duas fases. A primeira, teórica, será realizada no Senai em até seis meses, de forma presencial e também virtual, respeitando os protocolos de segurança e de combate à pandemia da Covid-19. Já a fase prática tem um ano de duração e será realizada nas unidades da Vale em São Luis e Açailândia (MA); e Marabá, Parauapebas e Curionópolis (PA).

A gerente do Senai de São Luís, Sheherazade Bastos, destacou o rigor das medidas sanitárias adotadas em decorrência da Covid-19 com a formação das turmas com no máximo 20 alunos. “Seguiremos todas as diretrizes da OMS, com disponibilização de álcool gel, máscaras, lavatórios ao longo da unidade, além de realizarmos a aferição de temperatura na chegada dos alunos. Na etapa de laboratório faremos grupos menores de até 7 alunos escalonados durante a semana”, ressaltou Bastos, enaltecendo ainda a parceria com a Vale para investimentos na formação de mão de obra qualificada, mesmo num cenário de crise. “Nosso objetivo é formar jovens e a Vale é uma grande parceira que contribui com o nosso propósito”.

Para a trainee Neuziane Fernandes, de 24 anos, essa oportunidade representa um sonho perseguido desde 2014. Ela conta que se sente feliz por fazer parte de uma turma totalmente feminina. “Estou ansiosa para começar, poder me destacar e conquistar meu espaço. Me sinto muito feliz também por ter essa oportunidade e ser mais uma mulher num universo tão restrito e masculino que é o da mineração”. Neuziane se prepara para ser uma técnica de via permanente e poder atuar na operação ferroviária.

Os dias de artesã de Juliana Canário de Brito Silva Ferreira, 26 anos e moradora de Parauapebas, chegaram ao fim. Pelo menos como sua atividade principal de renda. Ela, que tem baixa visão, está entre as mulheres que iniciam esta semana o curso de trainee operacional dentro do PFP. “Recebemos uma oportunidade de formação para o mercado de trabalho e uma carreira profissional. Inicio um novo ciclo que a empresa está trazendo. Eu me sinto realizada. É a primeira vez que minha carteira está sendo assinada e estou muito empolgada para iniciar esse curso e as expectativas são as melhores possíveis”, contou.

Segundo o gerente de Recursos Humanos da Vale, Saulo Prazeses, a empresa está avançando para alcançar a meta de ampliação da presença feminina nas suas operações. “Esta iniciativa faz parte da estratégia para ampliar a diversidade e inclusão de pessoas com deficiência e mulheres nas operações. Até 2030 devemos ter 26% de mulheres entre nossos empregados. Hoje recebemos um grupo de mais de 500 trainees, que já se tornou um dos maiores grupos de mulheres a ingressar nas operações do Pará e do Maranhão”, comemora Saulo.

 

Com informações da Assessoria de Comunicação da Vale.