01/06 – Minério de ferro tem mais um dia de alta na China

0
334
Terminal de minério de ferro no porto de Qingdao, na China. Foto: Dreamstime.

Cotação do minério de ferro subiu 7,3% em Dalian e 4,95% em Qingdao.

Os futuros de referência do minério de ferro na China saltaram mais de 7% nesta terça-feira (01/06), na terceira sessão consecutiva de rali, impulsionados por notícias de que o pólo siderúrgico de Tangshan planeja aliviar exigências de cortes de produção em usinas.

O governo de Tangshan realizou um debate nesta segunda-feira (31/05), avaliando reduzir os níveis de restrição à produção de algumas usinas que terminaram modernizações para reduzir emissões, segundo a estatal Securities Times, que citou notícias na mídia.

Autoridades haviam exigido que produtores locais de aço cortassem a produção em 30% a 50% em março, para melhorar a qualidade do ar, o que gerou preocupações com a oferta, uma vez que a cidade responde por mais de 13% da produção de aço bruto chinesa.

Mas uma fonte da indústria disse à Reuters que o plano está em discussão e ainda não foi aprovado.

Ainda assim, os preços de matérias-primas do aço subiram por expectativas de melhor demanda. O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em setembro, saltou 7,3%, para 1.170 yuanes (US$ 183,53) por tonelada.

Já no Porto de Qingdao, o preço subiu 4,95% nesta terça (01/06), chegando a US$ 208,67. Na segunda-feira ele já tinha subido 4,37%, atingindo US$ 198,83 a tonelada.

O minério de ferro spot com 62% de teor para entrega na China subiu US$ 8 na segunda-feira (31), para US$ 200,5 por tonelada, segundo a consultoria Mysteel.

No aço, o vergalhão para entrega em outubro subiu 2%, para 5.128 yuanes por tonelada.
Mas analistas do Citi Research alertaram em nota que o movimento de Tangshan pode colocar pressão sobre os preços do aço no curto prazo, uma vez que o mercado caminha para uma época de menor demanda.

“No entanto, ainda esperamos mais medidas relacionadas à produção em outras províncias no segundo semestre para reduzir as emissões de carbono”, afirmaram.

 

Fonte: Reuters.