Balanço trimestral foi divulgado nesta sexta (20), mostrando que Ebitda da companhia é o melhor em um trimestre desde 2010.

O primeiro trimestre registrou dados positivos para a Usiminas, com uma alta de 42% nos lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustados em comparação com o último trimestre do ano passado. Foram R$ 641,2 milhões, contra R$ 450,4 milhões no período anterior e uma margem Ebitda de 19,8% nos três primeiros meses do ano, ante os 14,6% no quarto trimestre do ano passado.

De acordo com comunicado divulgado pela Usiminas nesta sexta-feira (20), o resultado é reflexo do bom desempenho das unidades de negócios da companhia, principalmente a siderurgia, com Ebitda ajustado de R$ 568,6 milhões no período. Já o Ebitda ajustado consolidado foi de R$ 735 milhões, o maior alcançado desde o terceiro trimestre de 2010.

Destaques

As vendas de aço foram alguns dos principais indicadores operacionais do período, registrando 1,1 milhão de toneladas, juntamente com as vendas de minério de ferro, de 1,8 milhão de toneladas, fechando um lucro líquido de R$ 157,2 milhões no primeiro trimestre.

Especificamente na Unidade de Siderurgia, a receita líquida (R$ 3 bi) registrou alta de 8,8% em relação ao trimestre anterior devido aos melhores preços nos mercados interno (alta de 7,9%) e externo (alta de 13,8%), além de um maior volume de vendas internas (2,9%).

Quanto à produção de aço bruto na Usina de Ipatinga (MG), esta se manteve estável, com 715 mil toneladas. A de laminados em Ipatinga e em Cubatão (SP) foi de 1,07 milhão de toneladas.

Na Mineração Usiminas (Musa) o Ebitda ajustado, de R$ 49 milhões, registrou alta de 18,3% quando comparado com o trimestre anterior (R$ 41,4 milhões). O maior volume de vendas também foi o principal fator para um aumento de cerca de 22,4% na receita líquida do negócio. Foram R$ 252 milhões no 1º trimestre desse ano contra R$ 206 milhões nos três últimos meses de 2017.

“Os números apresentados nos três primeiros meses do ano consolidam a trajetória ascendente da empresa iniciada a partir do final do segundo trimestre de 2016”, destacou o presidente da Usiminas, Sergio Leite

Endividamento

A Usiminas amortizou US$ 180 milhões da dívida em janeiro e R$ 378,8 milhões em março, junto a bancos brasileiros, japoneses e debenturistas. O endividamento atual é de R$ 5,7 bilhões contra os R$ 6,7 bilhões antes das últimas amortizações.

Estímulos

A Usiminas também destacou algumas retomadas recentes, como a do Alto-Forno 1, na usina de Ipatinga, no dia 17 de abril, após 34 meses desativado devido à queda na produção puxada pela crise econômica e na siderurgia. A estrutura acrescenta 2 mil toneladas diárias à produção de ferro-gusa da unidade.

Já na Mineração Usiminas (Musa), o destaque vai para a retomada de duas plantas antes paralisadas: a de flotação e a mina leste, em Itatiaiuçu (MG). Só em dezembro, a Musa registrou vendas de 800 mil toneladas de minério de ferro, o maior volume em um único mês.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui