Trem movido a hidrogênio na Alemanha é premiado

0
3248
Trem, Coradia iLint, movido a hidrogênio. Foto: Alstom/ Divulgação.

Projeto é da empresa alemã Alstom e pode entrar em funcionamento ainda este ano.

O primeiro trem regional movido a célula de combustível de hidrogênio, Coradia iLint, da Alstom, venceu o prêmio Greentec Mobility 2018, da Almanha, na categoria Mobilidade por Schaeffler. A homenagem foi recebida oficialmente em sua maior unidade de produção, localizada na cidade alemã de Salzgitter.

Interior do Coradia iLint. Foto: Alstom/ Divulgação.

O projeto é um trem regional completamente livre de emissões que oferece uma alternativa aos trens a diesel para operação em linhas ferroviárias não eletrificadas. De acordo com a empresa, elas representam, atualmente, mais de 40% da rede ferroviária na Alemanha.

“Na verdade, conseguimos mais do que isso: um conceito de mobilidade inovador, sustentável e competitivo, e que inclui não apenas os trens e serviços, mas também a infraestrutura necessária para abastecê-los”, afirma.

Alimentado por uma célula de combustível na qual o hidrogênio é convertido em energia elétrica, o Coradia iLint emite apenas vapor condensado de água. A previsão é que o trem entre em serviço regular na rota Cuxhaven-Bremervörde, na Alemanha, ainda neste ano.

“As células de combustível são uma tecnologia promissora para o desenvolvimento de sistemas alternativos de condução na tecnologia ferroviária. O projeto Coradia iLint da Alstom é uma boa opção para uma mobilidade verde voltada para o futuro”, afirmou o diretor executivo da TÜV NORD Systems, empresa alemã de certificação de sistemas, Silvio Konrad.

Interior do Coradia iLint. Foto: Alstom/ Divulgação.

Para o membro do júri e diretor do Centro de Inovação da Schaeffler, Tim Hosenfeldt, a Alstom soube usar de forma prática e sustentável a tecnologia.

“A tecnologia de hidrogênio mostra novas formas de mobilidade livre de CO2 em uma cadeia de energia sustentável e não fossilizada, especialmente em áreas como engenharia ferroviária e transporte de mercadorias pesadas”, finaliza ele.

*Sob supervisão de Sara Lira

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui