Um dos destaques de produtos movimentados foi o minério de ferro.

A movimentação de cargas nos portos públicos cresceu 3,2% no primeiro trimestre deste ano. Os dados são do boletim informativo Aquaviário do 1º Trimestre de 2018, divulgado na sexta-feira (8) pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O documento mostra, ainda, que nos privados houve queda de 2,3% no período.

Segundo a Antaq, 249,2 milhões de toneladas foram movimentadas nos primeiros três meses do ano, sendo 84,1 milhões nos terminais públicos e 165,1 milhões nos terminais nos privados.

Entre os grupos de mercadorias de maiores movimentações no primeiro trimestre de 2018, o minério de ferro se destaca, com 87,5 milhões de toneladas, mas queda de 6,3% em relação a 2017. O petróleo também foi um dos produtos mais movimentados, com 48,7 milhões de toneladas, mas 1,1% inferior ao ano passado. Em terceiro lugar vêm os contêineres, com 26,4 milhões de toneladas e crescimento de 11,5%, com expansão de 14% nas importações e de 9,7% nas exportações.

Outros produtos com destaque de movimentação no primeiro trimestre de 2018 foram o milho, com 3,7 milhões/ ton e aumento de 88,2%; e a soja, com 24,2 milhões/ ton e aumento de 5,1%. No total, o granel sólido representou 61,8% do total movimentado no período.

Portos

Entre os portos apresentaram crescimento na movimentação de cargas em comparação com o mesmo período do ano passado, quatro se destacam: Paranaguá, no Paraná (13,8%); Santos, em São Paulo (9,3%); Santarém, no Pará (31,4%); e São Francisco do Sul, em Santa Catarina (3,9%). Só no porto de Santos foram movimentados 25,1 milhões de toneladas de cargas brutas, com destaque para o milho, com crescimento de 192,3%, pasta de celulose (74,1%) e contêineres (14,5%).

Já entre os portos que registraram queda, constam: Itaguaí, no Rio de Janeiro (-4,6%), e com redução de 8,9% na movimentação de minério de ferro, principal mercadoria do terminal; e o de Vila do Conde, no Pará (-20,7%).

“Nos terminais de uso privado, a movimentação de cargas registrou 165,1 milhões de toneladas brutas. Esse volume é 2,3% menor do que o registrado no primeiro trimestre de 2017, refletindo a queda na movimentação de minério de ferro (5,9%), petróleo (3,0%) e bauxita (2,4%)”, informou a Antaq, por meio de nota.

Destinos

A China foi o principal destino das exportações brasileiras, com 47,2% do total de cargas enviadas para o exterior. No total, 68,9 milhões de toneladas foram transportadas para o país asiático. Em segundo lugar vem a Malásia, com 5,1% do total de cargas e 7,4 milhões de toneladas exportadas. Em seguida vem a Holanda, com 4,8% da mercadoria enviada para fora, volume de 7 milhões de toneladas.

Já os produtos importados tiveram como principal origem os Estudos Unidos (24,3% das cargas, volume de 8,1 milhões de toneladas). Após foi a Argentina, com 2,8 milhões de toneladas e 8,6% de participação), e, em terceiro, a China, com 8,1% das importações e 2,7% das importações.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui