Ebitda ajustado da companhia foi de R$ 519 milhões, com margem de 16%.

A Usiminas teve um prejuízo líquido de R$ 19 milhões no segundo trimestre, frente a um lucro líquido de R$ 157 milhões no trimestre anterior. De acordo com balanço do período divulgado nesta sexta-feira (27), os Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda ajustado) foi de R$ 519 milhões, com margem de 16%.

Segundo a empresa, o resultado foi impactado pelo provisionamento contábil de R$ 62,4 milhões para Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Rio Grande do Sul. Sem a mudança, o Ebitda atingiria R$ 581 milhões, contra R$ 641,8 milhões registrados de janeiro a março, e a margem Ebitda registraria 18% ante 19,8% no trimestre anterior.

O trimestre foi impactado também pela greve dos caminhoneiros e pela desvalorização do real frente ao dólar. Desconsiderados esses fatores, a companhia contabilizaria lucro líquido superior a R$ 200 milhões. No acumulado do primeiro semestre, a empresa totalizou R$ 138 milhões de lucro líquido.

“Nos últimos meses, a percepção da população e dos agentes econômicos foi duramente abalada pela paralisação dos caminhoneiros, que coincidiu com o momento de expressiva elevação do câmbio. Esses fatores, somados ao crescimento do protecionismo internacional e às incertezas no cenário político, trouxeram à tona fragilidades da economia e criaram uma crise de confiança que prossegue até o momento”, avalia o presidente da Usiminas, Sergio Leite.

A receita líquida ficou em R$ 3,2 bilhões, índice considerado estável na comparação com o primeiro trimestre, segundo a companhia. A empresa destaca os maiores preços do aço no mercado interno e na exportação, que compensaram os menores volumes de venda de aço e de minério de ferro.

No período, foram comercializadas 977 mil toneladas de aço contra 1,08 milhão no trimestre anterior. Já a venda de minério de ferro, de abril a junho, atingiu 1,4 milhão ante 1,8 milhão no primeiro trimestre do ano.

Unidades

A Usina de Ipatinga (MG) elevou a produção de aço de 715 mil toneladas registradas no primeiro trimestre, para 813 mil toneladas no segundo trimestre. O alto forno da unidade foi religado em abril, após 34 meses desativado.

Juntando a produção de laminados da usina mineira e de Cubatão (SP), totalizam-se 1,06 milhão de toneladas, valor um pouco abaixo em relação ao produzido nos três primeiros meses do ano, 1,07 milhão.

A Mineração Usiminas registrou queda de 32% no Ebitda ajustado, de R$ 33,3 milhões contra R$ 49 milhões no trimestre anterior. A produção no período foi de 1,3 milhão de toneladas e o volume de vendas foi de 1,4 milhão de toneladas, contra 1,8 milhão do primeiro trimestre, em função do menor volume exportado no trimestre.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui