Arábia Saudita projeta planta petroquímica de US$ 20 bi

0
7518
Um dos complexos petroquímicos já em funcionamento na Arábia Saudita, na cidade de Yanbu, onde nova planta deve ser instalada. Foto: Divulgação.

Segundo as empresas responsáveis, instalação petroquímica será a maior do mundo e deve entrar em funcionamento em 2025, com capacidade para processar cerca de 400 mil barris de petróleo leve árabe.

A companhia petrolífera Saudi Aramco e o grupo petroquímico Saudi Basic Industries (Sabic), da Arábia Saudita, assinaram um protocolo de intenções nesta semana com o objetivo de construir um complexo para converter petróleo bruto em produtos químicos. O projeto prevê um investimento de US$ 20 bilhões.

De acordo com informações divulgadas pela agência de notícias Reuters, as empresas afirmam que a instalação petroquímica será a maior do mundo. O projeto também é parte de um esforço do governo saudita de diversificar a economia além da exportação de petróleo bruto. O objetivo é desenvolver indústrias de manufatura, incluindo produtos químicos, após o investimento privado ter desacelerado no país nos últimos anos, devido aos baixos preços do petróleo.

Em entrevista à imprensa internacional, o presidente-executivo da petroleira estatal Aramco, Amin Nasser, afirmou que uma decisão final sobre o projeto será tomada no final de 2019. A proposta é que o complexo seja instalado na cidade portuária de Yanbu, próxima ao mar Vermelho, por já ser um centro industrial.

Já o presidente executivo da ABIC, Yousef al-Benyan, destacou que esta é a primeira vez que as duas principais empresas da Arábia Saudita cooperam em um projeto industrial conjunto, empregando uma nova tecnologia.

O empreendimento entraria em funcionamento em 2025, com capacidade para processar cerca de 400 mil barris de petróleo leve árabe e produzir, aproximadamente, 9 milhões de toneladas de químicos ao ano, além de mais de 200 mil barris por dia de diesel para consumo interno.

Com informações da Reuters.