Operação Minas-Rio, em Minas Gerais. Foto: Anglo American/ Divulgação.

Investimento integra o pacote de US$ 1 bilhão da fase 3 do projeto, que tem entre os objetivos, o aumento da produção.

A mineradora Britânica Anglo American vai investir, este ano, mais de US$ 200 milhões no sistema Minas-Rio, em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais. O valor faz parte do pacote de US$ 1 bilhão da fase 3 do projeto, que tem como objetivo o aprimoramento da operação e manutenção do sistema, além de promover o aumento da produção.

Segundo o CEO da companhia, Wilfred Bruijn, apesar das incertezas que ainda pairam sobre o cenário econômico mundial e nacional devido à pandemia de Covid-19, a previsão é de um 2021 ainda de forte demanda, tanto pelo minério de ferro, quanto pelo níquel.

“Temos percebido, principalmente a partir do segundo semestre do ano passado, um incremento global das commodities, não apenas nas da Anglo American. No caso específico do minério de ferro, a China continua sendo o grande motor e o nosso produto possui o atrativo do teor elevado (67%) baixas impurezas. Por isso, vislumbramos, pelo menos, um primeiro semestre com demanda bastante elevada”, declarou o CEO.

Bruijn também disse que a expectativa para este ano é de um aumento de 5% em relação ao ano passado. A Anglo American produziu 24 milhões de toneladas de minério de ferro no sistema Minas-Rio em 2020, alta de 4% em relação ao produzido em 2019. A expectativa é que a produção deve ser superior a 25 milhões de toneladas em 2021.

Para o próximo ano, a capacidade nominal da planta, de 26,5 milhões de toneladas, deverá ser atingida. “Os investimentos deste exercício contemplam o aumento da produtividade e contribuem para a expectativa de adicionarmos volumes à produção”, informou Bruijn.

O sistema Minas-Rio conta com mina e beneficiamento em Conceição do Mato Dentro (MG), e a logística envolve um mineroduto de 529 quilômetros de extensão, até o Porto do Açu, no Rio de Janeiro, onde é exportado.

Lucro líquido 41% menor em 2020

Na última quinta-feira (25/02), a companhia divulgou o resultado financeiro de 2020, o documento mostra que o grupo atingiu US$ 9,8 bilhões no Ebitda (lucro antes de juros, Impostos, depreciação e amortização), esse resultado representa queda de 2% em comparação aos US$ 10 bilhões registrados em 2019.

A empresa também informou que seu lucro líquido caiu 41% em 2020, para US$ 2,09 bilhões, sob impacto da covid-19, que interrompeu suas operações, especialmente no primeiro semestre. A receita do grupo somou US$ 30,90 bilhões no ano passado.

De acordo com a instituição, o sistema Minas-Rio proporcionou um aumento de 60% no Ebitda, o que corresponde a US$ 1,8 bilhão – contra US$ 1,1 bilhão em 2019. A empresa atribuiu o balanço positivo ao aumento do preço do minério de ferro no período e ao crescimento da produção alinhado ao aumento da estabilidade operacional e do foco contínuo no controle dos custos, além da desvalorização do real frente ao dólar.

Já a Unidade de Negócio Níquel obteve aumento de 8%, com US$ 206 milhões (US$ 191 milhões em 2019), beneficiando-se de melhorias e estabilidade operacionais, disciplina de custos e movimentos cambiais favoráveis, parcialmente compensados pelo menor preço realizado do níquel, principalmente na primeira metade do ano.

 

Com informações da Assessoria de Imprensa da Anglo American.