Impacto na produção será de 13 milhões de toneladas de minério de ferro por ano processados a úmido.

A Vale anunciou a antecipação da paralisação temporária das operações do Complexo de Vargem Grande em Minas Gerais. A ação será para o descomissionamento de 10 barragens a montante, anunciado na semana passada, após o rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da mineradora, em Brumadinho (MG), em 25 de janeiro.

Os rejeitos atingiram a área administrativa da mineradora, comunidades próximas. Até o último balanço divulgado ontem (4/2) pelo Corpo de Bombeiros, o rompimento provocou 134 mortos e 199 pessoas permanecem desaparecidas.

De acordo com a Vale, o processo de descomissionamento de 19 barragens a montante começou em 2016, após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), em 2015. Segundo a companhia, todas elas se tornaram inativas e “mantiveram seus laudos de estabilidade emitidos por empresas especializadas e independentes”. Uma delas era a estrutura rompida em Brumadinho.

Das 19, nove já haviam sido totalmente descomissionadas, faltando 10, incluindo a de Vargem Grande. “A presente suspensão temporária do Complexo Vargem Grande visa acelerar ainda mais o processo de descomissionamento citado no Fato Relevante, pois permitirá o início imediato da coleta de dados para elaboração de projeto detalhado”, destacou a mineradora, por meio de nota.

A paralisação das atividades vai impactar a produção em 13 milhões de toneladas de minério de ferro por ano processados a úmido da estimativa total de 40 milhões por ano. A redução será compensada por meio do aumento de produção em outros sistemas da companhia.

Queda na arrecadação

De acordo com informações do governo de Minas, o fechamento dessas operações, incluindo a de Vargem Grande, vai provocar uma diminuição de cerca de 30% na arrecadação de tributos estaduais do setor de mineração. A estimativa da Secretaria de Estado de Fazenda é que o impacto anual seja de, aproximadamente, R$ 220 milhões.
Já em relação à Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), a redução anual será de cerca de R$ 79 milhões.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente publicou resolução, no dia 30 de janeiro, desautorizando todas as barragens de mineração em Minas, alteadas a montante. A medida vale tanto para as empresas que já usam o método, quanto para as que planejam a implantação deste.

Saiba mais:

Na prática, o descomissionamento significa “acabar” com essas estruturas e recompor o meio ambiente local. A Vale vai investir em torno de R$ 5 bilhões no processo que deve ocorrer ao longo dos próximos três anos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui