Divulgação / Komatsu.

*Por Guilherme Santos

Atrair, capacitar e reter talentos são desafios inerentes às indústrias de diversos segmentos. Porém, na mineração, que é uma operação complexa, existem algumas barreiras adicionais. A natureza da atividade, que envolve maiores riscos, o local de trabalho, distante dos grandes centros urbanos, bem como os altos e baixos dos preços das commodities, costumam causar uma flutuação significativa na contratação de mão de obra. Esse cenário demanda maior dedicação da liderança para engajar e motivar os funcionários, através de um forte propósito que traga prosperidade a todos, além de investimentos em capacitações de longa duração para permitir que eles realizem suas atividades com segurança e qualidade.

E como equilibrar essa equação? Sem dúvida, engajar os profissionais a prosperarem com a empresa é uma das iniciativas que mais agregam valor para uma organização. E, para isso, muito mais que conhecimento técnico, é necessário estabelecer conexão entre o propósito da empresa e o do profissional, e motivá-lo a construir valores sinérgicos com seus times. É preciso que o líder estabeleça uma comunicação próxima e constante sobre os desafios, metas e conquistas com suas equipes, demonstrando que o trabalho de cada um realmente faz a diferença para a companhia e permitindo que nasça um sentimento genuíno de pertencimento ao negócio.

Para fortalecer esse vínculo e dar sentido ao empenho diário de cada profissional, também é preciso oferecer benefícios que extrapolem o ambiente interno e que gerem impactos sociais e ambientais positivos. É importante proporcionar uma cultura inclusiva, que alie visão operacional e disciplina a comportamentos éticos, de solidariedade, diversidade e empatia. É imprescindível valorizar talentos já conhecidos e formar novos constantemente. Multiplicar boas ações e, assim, construir um clima organizacional saudável e inspirador.

Para alcançar o propósito da prosperidade é preciso engajamento e motivação para ir muito além da geologia das minas. E o grande segredo é manter o time unido e integrado, de forma que cada um tenha consciência do seu papel e responsabilidade de forma clara. É preciso cuidar das pessoas, formar profissionais, oferecer oportunidades reais de desenvolvimento, com um olhar individual para cada um. Conectar metas e resultados financeiros a um propósito único e de forma transparente com todos os funcionários.

É notório que empresas que investem em pessoas estão mais preparadas para enfrentarem cenários adversos, pois contam com equipes verdadeiramente engajadas e alinhadas com as visões estratégicas do negócio. E o estabelecimento desse vínculo de confiança é um diferencial para que tanto as empresas quanto os seus times superem instabilidades econômicas e se adaptem mais facilmente às transformações do setor, que se mostra cada vez mais ágil, autônomo e digital.

 

*Guilherme Santos é vice-presidente da Divisão de Mineração da Komatsu.

 

Voltar