Aumento foi na comparação com o mesmo período do ano passado. Valor alcança R$ 1,842 bi no acumulado do ano.

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) no mês de agosto, em todo o Brasil, cresceu 97% em relação ao mesmo mês do ano passado. O volume alcançado foi de mais de R$ 271 milhões, conforme levantamento da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (AMIG). O estudo mostra um panorama da atividade mineral no estado e no país e foi divulgado nesta quinta-feira (6).

Conforme a pesquisa, a arrecadação de toda a CFEM entre janeiro e agosto corresponde a cerca de R$ 1,842 bilhão, já ultrapassando todo o montante arrecadado em 2017, que foi de R$ 1,837 bilhão.

Só em Minas Gerais, a arrecadação teve crescimento de quase 54% em comparação com o mesmo período de 2017. O montante acumulado nos primeiros oito meses do ano foram de cerca de R$ 805 milhões e já ultrapassam o total arrecadado em todo o ano de 2017, de R$ 777 milhões.

De acordo com a economista da Amig e responsável pelo estudo, Luciana Mourão, o crescimento registrado na arrecadação da CFEM está relacionado às mudanças no cálculo e na alíquota dos royalties da mineração.

Segundo a Amig, historicamente, Minas é o maior produtor mineral e o maior recolhedor da CFEM do país. Embora o Estado ocupe o 1º lugar no ranking da CFEM em 2018, o Pará superou os recolhimentos da CFEM entre maio e agosto.

Enquanto o Estado nortista arrecadou R$ 121 milhões no oitavo mês do ano, Minas Gerais arrecadou quase R$ 1140 milhões. “Os resultados na arrecadação dos últimos meses são reflexos do segundo trimestre de 2018, onde a Vale apresentou recorde de produção e das vendas de minério de ferro e pelotas. Houve um aumento das atividades no maior completo minerador da Vale, o S11D no Pará”, destacou a economista.

Mudanças na CFEM

Os critérios de distribuição da CFEM mudaram no ano passado. Agora, 60% será destinado para os municípios produtores, 15% para o Estado, 10% para a União e 15% aos municípios impactados e afetados pela atividade de mineração. O total a ser entregue para as cidades que se enquadram nesta última situação, acumula R$ 113,5 milhões.

Porém, os valores ainda não foram distribuídos porque a Agência Nacional de Mineração ainda não apresentou a relação dos que serão contemplados.

Os critérios para inclusão são os municípios cortados por minerodutos ou ferrovias que transportem substâncias minerais; os que possuem operações portuárias, ou onde se localizem pilhas de estéril, barragem de rejeitos ou instalações de beneficiamento.

“A AMIG espera que a ANM estabeleça, o mais urgente possível, os procedimentos para definição de como será a distribuição e então, os municípios possam receber os recursos, ainda mais em uma fase tão difícil como esta que os municípios estão enfrentando”, destacou Mourão.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui